segunda-feira, 21 de março de 2016

Verdade Noturna - Dinho Fonseca

Resenha por: Vitória Bueno
Nota: 9/10
Livro: Verdade Noturna
Autor: Dinho Fonseca
Número de páginas: 284
Editora: Chiado Editora



Sinopse:

Gente é mais sincera à noite.

O sol nos franze a expressão
e comprime nossa emoção.
Você diz que a ama
e ela parece sentir dor.
Não há penumbra
nem mistério
e a bebida esquenta.

O fogo na noite é mais aceso.

Não que eu não goste do sol,
importância vital,
é que a noite premia
as intenções do dia.

E também não sou
o dono da verdade.
Mas para mim ela é noturna.

Resenha: Bem, esse é um livro que superou minhas expectativas.
Não que eu esperasse que o livro fosse ruim. Não mesmo!
Eu soube que ele era bom desde o momento em que ele chegou as minhas mãos e li a primeira poesia. Mas não imaginava que seria tão fácil lê-lo, nem que seria tão difícil aceitar quando ele chegou ao fim. Tenho certeza de que vou saboreá-lo mais vezes.
Obs: Esse é o primeiro livro de poesias/poema que leio.
A cada poesia/poema, eu me encantava mais. Na verdade eu comecei a imaginar letras de músicas naqueles versos (algumas poesias/poemas realmente eram músicas), e como eu gosto bastante de música, entrei totalmente dentro daquelas palavras.
Acho que qualquer um pode ler "Verdade Noturna", porque ele tem uma leitura simples e de fácil entendimento.
Obs: Eu até estava lendo para minha irmanzinha e ela até prestou atenção no começo. rsrs
Então é isso! Parabéns Dinho. Te culpo totalmente por me fazer gostar desse tema daqui para frente. 


Galera leiam "Verdade Noturna", que eu garanto que não é Perca de tempo.
Vou deixar aqui mais um trechinho desse livro maravilhoso:

Acima do sol

Eu voava acima do sol
quando meu avião caiu.
Não tive o instante do silêncio
após a aflição da queda,
morri.

Agora não há barulho nem silêncio aqui
e meu amor por mim não me ressuscitará.
Mesmo que, em má hora, eu saiba
da injustiça de agonizar nesse purgatório
de certezas e dúvidas,
agonizo mesmo morto.

O sentimento parece eterno,
o tempo não voa no inferno.

Eu voava acima do céu
quando meu amor me partiu.
Mas não me senti inocente,
senti a culpa do meu acidente,
morri.

E meu amor, por mim não me ressuscitará.
E o tempo não para isso.


O Dinho Fonseca também tem um projeto chamado "poste no poste". Vou deixar uma foto aqui para vocês verem. Caso gostem, pesquisem a respeito. É muito legal.