segunda-feira, 22 de maio de 2017

Nildrien, o pergaminho - Manoel Batista

Resenha por: Vitória Bueno
Nota: 9,5
Livro: Nildrien - O Pergaminho
Autor: Manoel Batista
Número de páginas: 586
Editora: Novo Século



Sinopse: Em um mundo de fantasia medieval, o despertar de uma poderosa energia em uma caverna milenar e remota faz com que os mais poderosos reinos de Nildrien se mobilizem para conseguir o artefato portador do poder: um antigo pergaminho criado pelo maior de todos os magos, contendo feitiços capazes de afetar o equilíbrio mundial.
Sem poder enviar seus mais experientes e poderosos membros, resta às forças de reinos aliados formarem um grupo de jovens aventureiros para enviá-los ao maior desafio de suas vidas: uma aventura entre guerreiros, magos e monstros que dividem um cenário onde o fantástico e a magia se mostram mais presentes do que nunca. Uma jornada que mudará para sempre a vida desses jovens, repleta de drama, ação e humor.

Resenha: Eu estava meio apreensiva para ler esse livro. Ele é um calhamaço e já fazia tempos que eu não encarava um livro desse tamanho. Mas lá estava eu começando a ler "Nildrien". E já digo para vocês, EU ADOREI!

Os primeiros capítulos apresentam o leitor grande parte dos personagens da história, e acreditem, são muitos personagens! Eu pensei que confundiria muito eles no decorrer do livro, mas foi bem tranquilo e logo eu já sabia quem era quem. Há o Reks, um meio-dragão, o Damian, um meio-elfo, o Karson, um humano ex-presidiário, há também Ylis, uma clériga da paz, Lóris, a princesa da Luz e mais diversos outros personagens. São no total 15 personagens que vão em busca do pergaminho em nome do reino de Nalim, mas além desses, há os personagens inimigos, e os que aparecem no decorrer da história. Ou seja, muitos personagens kkk.
Achei muito interessante a forma com que o autor apresenta eles, principalmente os principais. Os personagens levam vidas muito distintas e foi muito legal saber o que eles faziam antes da missão para a captura do pergaminho caísse de para-quedas na vida deles.

Depois que os personagens são apresentados ao leitor, eles finalmente se reúnem e se conhecessem (alguns deles nunca tinham se visto). Eles então começam sua jornada, e nesse ponto a história fica ainda melhor. Eles passam por diversas aventuras e desventuras, primeiro pela Floresta das Sombras, uma floresta amaldiçoada e repleta de perigos, e depois pela Caverna Antiga, que é tão grande, que acreditam que ela liga os continentes pelo seu subterrâneo, e é nela que está o pergaminho.
Como sempre, acabei adorando os vilões da história, sinto muito mundo, mas eu tenho uma alma sombria e sempre sinto empatia pelo mal kkk. Adorei certos inimigos do reino de Nalim e adorei também o anti-herói Hanns, que é um meio demônio do reino de Nalim mas é bem violento e sombrio.
Achei muito inteligente a descrição dos lugares, das batalhas, dos monstros... Tudo ficou muito incrível. O universo todo criado pelo autor é incrível. Rico em detalhes. Eu acho que isso é o mais importante quando se cria um mundo dentro de um livro, é preciso apresentar os extremos dele, fazer com que ele pareça real, e eu achei que "Nildrien" ficou muito bem descrito. Claro que ainda há muito para se aprofundar no livro e acho que isso é ainda mais legal porque o autor tem uma mobilidade enorme para explorar em um segundo livro (que eu espero muitíssimo que venha a ser escrito).

A diagramação está boa e os 60 capítulos (sim, são 60!) estão em um ótimo tamanho. O livro só precisa passar por uma revisão, porque há alguns erros de ortografia e concordância, mas nada que atrapalhe a leitura.

Recomendo para todos que gostem de uma boa aventura. Essa fantasia está boa demais, o que prova mais uma vez que as fantasias nacionais são tão boas quanto muitas gringas adoradas pela mídia.